Manutenção

Conversão de Omegas 4.1 e 3.0 para álcool

Conversão 3.0 -> Entrar em contato com Alexandre Vasconcelos [ alev8@terra.com.br ]
Conversão 4.1 -> Entrar em contato com Mauro Apor [ mapor@terra.com.br ]

Faça como a maioria de nossos associados, converta seu Omega para álcool e economize dinheiro. Conversão feita através de chip testado e aprovado pelo clube.

Infelizmente ainda não temos nenhum associado que possa disponibilizar chip para os motores 2.0 e 2.2.

Havendo dúvidas associe-se à nossa lista de discussão (ou forum) e veja como muitos Omegas convertidos estão satisfeitos com o resultado obtido.

Mais informações sobre essas conversões:


----- Original Message -----
From: Mauro Apor
To: Omega_Clube@yahoogrupos.com.br

Respondendo a todos os emails sobre conversão, esclareço:
1) Como fica a questão da compressão? Já ouvi de tudo, desde que não precisa mudar nada, só enfiar alcool até que tenho que trocar os pistões. Estou com dúvidas, mas estou mais propenso a colocar gnv. O problema é que morre R$ 3000 e a autonomia é uma droga. Sem contar a quantidade de postos que oferecem gnv atualmente.

Resposta: A maioria dos motores originais a álcool possuem taxa de compressão maior do que os motores a gasolina (exceto os mais taxados, como os Chevrolet VHC). Com isso, aproveita-se mais a energia disponível no álcool. O que quero dizer com isso, é que a conversão pelo chip é a maneira mais prática e econômica de fazer a conversão. Se você aumentar a taxa de compressão do motor, seja colocando pistões mais altos, seja rebaixando cabeçote, COM CERTEZA terá mais potência no álcool do que se não mexer na taxa. Só que isso custa. Se está buscando economia aliada a reversibilidade, a recomendação é só trocar o chip. O dia que quiser rodar na gasolina, é só voltar o chip original, ou caso opte por um chip duplo (álcool/gasolina), só alterar a posição do interruptor e pronto. Por falar em taxa de compressão, o GNV também funciona melhor com taxas maiores, sabia? Porque não fazem isso normalmente? Bem, isso custa, além de que o sujeito quando for rodar na gasolina, vai ter dor de cabeça.... É por isso que GNV em motor a álcool rende mais do que em motor a gasolina, devido a compressão maior. A galera do grupo que tem GNV tem apreciado as vantagens que o álcool oferece, como a autonomia maior, custo de instalação menor, além de o carro não ficar manco. Outra coisa, é que mexendo na taxa de compressão, é preciso "fazer" um chip específico para o seu caso, e isso também custa.

2) Não estraga as peças do motor? E qual vale mais a pena? Trocar só o chip?

Resposta: Estraga. Mas a única peça que pode estragar é a bomba de combustível, porque originalmente ela não é preparada para funcionar com o álcool puro. Se você não trocar, ela poderá queimar em um mês... dois meses.... seis meses... mas um dia ela vai queimar. Ela vai "trancar" e queimar. Experiência dos alcoolatras. Recomendamos para bomba a empresa Dinâmica (www.dinamicabombas.com.br) daqui de SP, eles vendem bombas preparadas para rodar no álcool. Eu, o AleV8, o Julio, o Leo Barbosa, estamos funcionando com a bomba deles e estamos bastante satisfeitos. Recomendamos também sempre a troca inicial do filtro de combustível, e aumentar a frequencia de troca do mesmo (por exemplo a cada 10 mil km? 15 mil km? na verdade o quanto antes melhor, mas não há um padrão). Como não é um componente caro, vale a pena a troca frequente.

3) E em quanto fica + ou - esta conversão? Alguém no clube faz ou indica quem faça?

Resposta: Além dos componentes citados acima, por enquanto o meu chip para álcool 4.1 sai por R$ 250, e o chip duplo álcool / gasolina por R$ 300. Este último, não é um flexfuel como dos carros que estão saindo atualmente, onde pode-se misturar qualquer proporção de álcool/gasolina. Nesta opção, pode-se utilizar álcool OU gasolina. Eu mesmo que os vendo para os 4100. Para os 3.0, quem vende é o AleV8 (só mandar um oi que ele logo aparece!), melhor tratar os preços diretamente com ele.

4) (de Alan) Alguem se habilita? Moro em Osasco, grande SP.

Resposta: Claro, precisamos saber qual seu motor, para saber quem vai vender! Mande msg em pvt para mim caso seja 4.1, e para o AleV8 caso seja 3.0.

5) (de Willian Miranda) apesar do meu carro estar convertido naum boto fé nesses chips naum, vi uma reportagem no site da cmracing e o cara tem certa razão la ele fala sobre a abertura dos bicos com o chip convertido.

Resposta: Amigo, não sei onde você converteu o seu, para avaliar a qualidade do serviço. Dei uma lida rápida no site deles, eles não estão errados a falarem sobre o tempo de abertura dos bicos. Tem um amigo meu que converteu um Fiat 1.6 16v para álcool, e devido as características deste motor "girador" - a red-line começa nos 6500 - ele tem pique legal acima dos 4000 rpm. Então a faixa de pique dele é entre 4000 e 6000 rpm. Só que no álcool, o motor dele dá falta em 5100 rpm! Bosta! Por que? Os bicos daquele motor não dão vazão suficiente (de 30% a 35% a mais do que na gasolina) para aquela rotação, por isso em 5100 no álcool o motor dele falha, e não passa disso. Pelas nossas conversões para álcool no 4.1 e no 3.0, isso não tem acontecido porque os bicos tem aguentado até bem próximo a rotação de corte na gasolina. Mágica? Não. Os bicos dos 3.0 e dos 4.1 dão conta do recado. Se tem dúvida da qualidade da conversão, e se ele ANDA, tudo bem: convido-o a passear comigo (OCD 4.1) ou com o AleV8 (OCD 3.0) a mais de 200 km/h, rodando no álcool, e em troca você faz a conversão com a gente. Que tal?

6) O problema é o seguinte. Para que o motor a álcool tenha eficiência, é necessária pelo menos uma taxa de compressão de 11: 1. A do 4.1 é 8,5:1. E aí ?

Resposta: 11:1 seria muito melhor do que os 8,5:1 não tem o que discutir, mas mesmo com a baixa taxa de compressão de 8,5:1 no 4.1, o resultado da transformação é excelente. Já lancei o convite no outro "FAQ". Eu sou bastante suspeito em falar, então não vou mais comentar sobre o resultado.

7) O que o cara do chip faz: adianta o possível o ponto (é uma maneira de aumentar a taxa dinâmica de compressão-em outras palavras o pistâo atinge o ponto morto superior já com a frente de chama da combustão mais propagada, portanto a compressão é maior) e aumenta a quantidade de combustível injetada (aumentando o tempo em que o bico fica aberto). Como todas estas correçôes paramétricas tem limite, vc fica com um consumo no mínimo 40% maior que a gasolina contra 30 a 33 % de um motor de fábrica (taxado). Agora, e na prática do Omega ?

Resposta: Com certeza o artifício utilizado para compensar a compressão mais baixa, é adiantar o ponto, exatamente como você explicou. Quanto a estequiometria da queima gasolina x álcool, em VOLUME, dá os 30 a 33% a mais para o álcool (daí o motivo de, na média, o consumo ser 30% maior. Outros fatores afetam, como temperatura do motor etc etc etc mas na média é isso aí). Uma correção, a quantidade de combustível precisa ser aumentada, mas não aumentando o tempo que o bico fica aberto, e sim a frequência de abertura deles. Isto porque o combustível precisa entrar pulverizado,e não adianta abrir o bico como uma torneira e jorrar cana pra dentro. Nos nossos casos não tem essa de consumo no mínimo 40% maior, daí realmente nao tem bico original que aguente. Por andar bem, e ter um consumo bastante condizende, só tenho a dizer que vale a pena.

Abraços - Maurão

Imagem ilustrativa da partida a frio em Omega 3.0